Os aparelhos ideológicos do estado


Louis Althusser - Os aparelhos ideológicos do EstadoPor motivos profissionais, nesta semana tive contato frequente com as ideias do filósofo algeriano Louis Althusser, que fala a sobre os aparelhos ideológicos do estado e como os mesmos são utilizados para se manter a hegemonia do grupo dominante. Sendo assim, acreditei ser importante trazer ao debate político o papel de tais meios na atualidade, ainda mais quando se leva em consideração a atuação da mídia no processo político.

Qualquer dúvida entre em contato!


Os aparelhos ideológicos do estado

Althusser afirma que, para que a produção sobreviva, é necessário que ela faça a reprodução dos meios de produção. Tais meios de produção são formados pelas forças produtivas e pelas relações de produção existentes. A reprodução da força de trabalho se dá fora da empresa, e o meio material pelo qual ela se reproduz é o salário. Assim, o salário é indispensável para a reconstituição da força de trabalho do assalariado (vestimentas, alimentação, etc.), e também é indispensável à educação das crianças.

Contudo, não basta apenas fazer com que a força de trabalho se reproduza: ela deve ser capaz de manusear as máquinas e equipamentos da empresa. Esta qualificação ocorre através do sistema escolar capitalista, e é aqui – principalmente – que entra a ideia de aparelho ideológico do estado. Na escola, além de ler e escrever, aprende-se também as regras do bom comportamento, ou seja, aprende-se a ser submisso à ordem vigente, fazendo com que os operários sejam submissos em relação à ideologia dominante. Além da escola, também a Igreja e outros aparelhos, como o Exército, são aparelhos ideológicos do Estado. Eles dominam não pelo uso da força, e sim pelo uso da ideologia para manter a classe dominante no poder.

Outros conceitos importantes para Althusser dizem respeito à separação entre o que ele chama de “aparelho de estado” do “poder de estado”. O objeto de disputa é o poder do estado; já o aparelho do estado pode continuar, mesmo que os operários atinjam o poder. Quem detém o poder do estado usa o aparelho do estado em benefício de sua classe. Assim, para poder complementar a teoria marxista, devemos então ter em mente não apenas a distinção entre poder de estado e aparelho de estado, mas também admitir a existência de uma realidade que não se confunde com o aparelho repressivo de estado: são os aparelhos ideológicos de estado.



ARE e AIE

A diferença básica entre os aparelhos repressivos de estado (ARE) e os aparelhos ideológicos de estado (AIE) é que os ARE se utilizam predominantemente de argumentos repressivos e coercitivos para atingirem seus objetivos. Já os AIE utilizam predominantemente a ideologia para manter sua dominação. São integrantes dos AIE, dentre outros, o sistema de diferentes Igrejas, o sistema escolar (tanto público quanto privado), o sistema familiar, o sistema jurídico, o sistema político, o sistema sindical, o sistema de informação e o sistema cultural.

Outra diferença, além da maneira de atuação (os ARE utilizam-se da repressão e coerção, enquanto os AIE utilizam-se da ideologia), é que, enquanto os ARE são totalmente públicos, a grande parte dos AIE pertencem ao domínio privado. Isto não significa dizer que exista alguma diferença entre AIE públicos e privados: ambos funcionam como aparelhos ideológicos de estado.

É interessante notar que nenhuma classe pode, de forma duradoura, deter o poder do estado sem exercer ao mesmo tempo sua hegemonia sobre e nos aparelhos ideológicos do estado – e é aqui que estão as lutas de classes. Isto porque a classe no poder não consegue impor sua vontade tão facilmente nos AIE como faz nos ARE, pois a antiga classe dominante pode manter fortes posições durante muito tempo nesses, e ainda porque as classes exploradas podem utilizar-se dos AIE para expressarem-se.



Voltemos à questão da reprodução das relações de produção. Esta reprodução ocorre, em grande parte, através da superestrutura jurídico-política e ideológica. Em outras palavras, é o aparelho de estado, formado pelos ARE e pelos AIE que garante tal reprodução.

A função de provedor da reprodução das relações de produção existe desde o pré-capitalismo. Em tal época, o principal AIE era a Igreja, que tinha funções não só religiosas mas também educacionais, além de uma boa parte das funções de informação e de cultura. Durante o século XIX, com a progressiva separação entre estado e Igreja, foi surgindo um novo AIE: a escola. Este é o AIE que mais influencia no momento, pois é a escola quem dá formação a todas as crianças, independentemente de classe social, desde o maternal até a universidade. É a escola quem atua nos anos “vulneráveis”, onde a criança está aprendendo os valores sociais.

Portanto, é através da educação que a reprodução das relações de produção ocorre. Esta ideologia, entretanto, está oculta, pois a escola é tida como neutra na formação do indivíduo. A escola desempenha um papel determinante na reprodução das relações de produção de um modo de produção ameaçado em sua existência pela luta mundial de classes.



0 comentário sobre “Os aparelhos ideológicos do estado

  1. Pirei quando tive contato com as ideias de Althusser. Quer dizer que tudo o que nos fornecem, seja através do modo autoritário (escola, igrejas), ou de modo “despretensioso”, através da cultura, modo de vida, esportes, é, segundo minhas modestas ideias a partir da leitura, tudo parte de um modus operandi que leva à reprodução dos meios de exploração?? A partir daí, até as formas mais contundentes de rebeldia serão “válvulas de escape” perante a lógica da dominação… Que louco… Fico imaginando o que seria então os filmes de Glauber Rocha nessa visão… Uma “escapulida”??

  2. olá sou karol ferraz! adorei o seu texto,agora sim posso apresentar meu seminário sem medo de ser feliz……….são raros profissionais assim,basta lê e já entende tudo.muito obrigada!!!!!prof.matheus

  3. – Olá Meu Nome e Marcílio Júnior. Estou cursando o ensino Médio. Meu Professor De Filosofia,pedi-o para nós da Turma Debater o assunto. Porém Ele não souber explica direito o assunto.Eu não sabia nada sobre o assunto,e gostaria de saber sobre o Tema. Agora lendo seu Texto,pude reflete a Sua ”Teoria”. se isso for uma ”Teoria”. Gostei muito do seu modo de explica.Mim ajudou muito.Muito Obrigado.! Prof.Matheus.

  4. Muito bom este artigo. Estou fazendo um estudo sobre os AIE, fala serio! achei muito difícil entender, mas sua linguagem é muito acessível e muito clara, me ajudou muito. obrigada. parabéns!

  5. Olá prof. Matheus Passos, estou precisando de nome de autores que falem sobre este assunto para discutir no meu tcc. Pode me ajudar com uns nomes de livros e autores? Até mesmo este de Althssur

    • Olá Elisângela, bom dia. Veja os livros do Althusser e do Gramsci. Em termos de clássicos, são os mais indicados para o tema. Irei fazer um vídeo sobre o livro do Althusser e disponibilizarei no meu canal, mas isso só em julho. Um abraço e volte sempre!

  6. Parabéns pelo texto professor. Com uma visão mais clara a respeito do texto, saberei fazer os argumentos necessários na prova, baseada no livro. Obrigada !

Deixe um comentário:

%d blogueiros gostam disto: