Notícias de Berlim

Gorbatchov se diz “orgulhoso” por queda do Muro de Berlim

da Efe, em Moscou
da Folha Online

O último dirigente soviético, Mikhail Gorbatchov, declarou-se nesta quinta-feira “orgulhoso” de que a queda do Muro de Berlim não tenha resultado em derramamento de sangue, já que 2 milhões de soldados soviéticos e ocidentais estavam destacados em suas imediações.

“Sou orgulhoso de que essa operação não tenha sido violenta. Preservamos a Europa. Ali estavam frente a frente 2 milhões de soldados e uma quantidade de armas que dava medo”, disse Gorbatchov à emissora de rádio “Eco de Moscou”.

Gorbatchov descreveu o Muro de Berlim –construído em 1961 e derrubado em 1989– como o “nu gordiano mais perigoso e incerto” do mundo durante três décadas.

Em sua opinião, o muro foi “necessário”, uma vez que soviéticos e ocidentais foram incapazes de entrar em acordo sobre o que fazer com a Alemanha, e decidiram dividir o país em dois e Berlim em quatro partes.

Gorbatchov –que irá a Berlim na próxima segunda-feira (9) para as comemorações em decorrência do 20º aniversário da queda do Muro, ao lado do ex-chanceler alemão Helmut Kohl e do antigo presidente dos Estados Unidos George W. Bush– disse que chegou a temer que eclodisse uma terceira guerra mundial.

Contribuição

Secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética (PCUS) entre 1985 e 1991, Gorbatchov assumiu após a morte do linha-dura Leonid Bréjnev e seus dois sucessores, Iuri Andrópov e Konstantin Tchernenko.

Diante do evidente colapso do regime socialista, ele realiza uma mudança rumo à democratização e a descentralização da economia em duas reformas: a glasnost (transparência), que leva ao abrandamento da censura, e a perestroika (reestruturação), um conjunto de reformas da economia prejudicada pela burocracia, corrupção e gastos exorbitantes na área militar.

As mudanças, que geraram resistência entre a linha conservadora do regime, incluindo o líder da República Democrática da Alemanha, Erich Honecker, levaram ao colapso final do comunismo e ao fim da ex-União Soviética –o que lhe rendeu o Prêmio Nobel da Paz em 1990.

(Original aqui.)

Deixe um comentário:

%d blogueiros gostam disto: