Voto de desconfiança

Esta eleição de 2010 não é para os profetas do apocalipse, nem para os anunciadores da “mexicanização”, ou da “ameaça neoliberal”. Parece ser mais uma escolha banal em tempos de estabilidade e prosperidade, quando o eleitor já considera ter garantido coisas boas para si e quer saber o que pode ganhar mais.

Os números são aproximados. O Brasil tem 136 milhões de eleitores. Saíram de casa no domingo para votar em Dilma Rousseff quase 48 milhões. É 35% do eleitorado, pouco acima de um terço. José Serra chegou ao patamar de 33 milhões, 24%. Marina alcançou quase 20 milhões, perto de 15%.

Houve algumas quebras em relação ao que previam os institutos de pesquisa. Mesmo na boca da urna aconteceram problemas. Mas a dificuldade maior é antes do dia da eleição, e os números, especialmente de Dilma, mostram com nitidez. Uma coisa é o universo dos eleitores. Outra coisa é o universo dos eleitores que vão votar em algum candidato.

Esta coluna porém não será sobre pesquisas. Que os institutos se expliquem. Pesquisa boa mesmo, como gostam de dizer os políticos que estão nelas em desvantagem, é a da urna. E o que as urnas disseram no domingo, de mais significativo?

Que apenas 35% dos eleitores acharam importante dar apoio agora à candidata de um presidente da República aprovado por quase oito em cada dez brasileiros. Mais de seis em cada dez, dos mesmos que respondem às pesquisas de aprovação do governo e do presidente, preferiram um voto de desconfiança.

“De desconfiança” porque tampouco dá para simplesmente somar os votos de Serra e Marina e concluir que exista aí uma maioria em oposição à escolhida de Luiz Inácio Lula da Silva. Como gosta de dizer a candidata verde, a presença expressiva dela despolarizou a disputa no primeiro turno, matizou o plebiscito idealizado por Lula.

E como Marina conseguiu isso? As teses mais confortáveis, para o governo, procuram divulgar que a verde foi apenas beneficiária do voto de um certo “atraso” religioso-comportamental. A explicação não combina com o perfil do eleitorado dela, mais concentrado em áreas bem desenvolvidas.

Uma candidatura que ganha no Distrito Federal, pega quase um terço dos votos válidos no Rio de Janeiro e fica acima da sua média nacional em São Paulo e Minas Gerais não pode ser lida como alavancada pelos grotões.

O primeiro turno mostrou, ao contrário, que Marina conseguiu tomar posição para surfar na próxima onda, se se observar que a política brasileira se renova por ondas de partidos, pois internamente nas legendas não é possível, pela falta de democracia.

Ou seja, o eleitor disse no domingo que se as coisas estão boas sempre será possível trabalhar para melhorá-las. José Serra defendeu-se bem entre os trabalhadores de salário mínimo e os aposentados, ao propor reajustes agressivos no mínimo e nas aposentadorias, além de um 13o. para o Bolsa Família.

Já Dilma ficou presa ao figurino “o governo Lula foi melhor que o de Fernando Henrique Cardoso”. Qual terá sido a dificuldade de Dilma para liquidar a fatura dois dias atrás? Se é verdade que o PT de Lula faz uma boa administração federal, também é verdade que o PSDB de FHC faz boas gestões nos estados. Em ambos os casos, aqui o “boa” é sinônimo de “avaliada como boa”.

O PSDB, disputando sua eleição mais difícil, elegeu em primeiro turno governadores nos dois maiores eleitorados, São Paulo e Minas Gerais. Será o quinto governo tucano seguido em terras paulistas e o terceiro nas mineiras. Ninguém consegue esses números só na base da saliva.

E no Paraná o ex-prefeito tucano da capital derrotou de uma só vez o presidente da República, o governador e o ex-governador.

Esta eleição de 2010 não é para os profetas do apocalipse, nem para os anunciadores da “mexicanização”, ou da “ameaça neoliberal”. Parece ser mais uma escolha banal em tempos de estabilidade e prosperidade, quando o eleitor já considera ter garantido coisas boas para si e quer saber o que pode ganhar mais.

(Original aqui.)

Deixe um comentário:

%d blogueiros gostam disto: