66 anos do fim da Segunda Guerra Mundial

9 de maio  de 1945. Esta é a data, para os russos, em que a Segunda Guerra Mundial  acabou, pois foi quando a Alemanha aceitou a rendição incondicional aos soviéticos.

Para aqueles que me conhecem, não é surpresa alguma eu estar aqui falando da Rússia (mais uma vez). Mas, para além de  qualquer admiração pessoal que eu tenha pela Rússia, é inegável a importância que o país teve na Segunda Guerra Mundial, importância esta que, muitas vezes, foi (e continua sendo) ignorada pela grande imprensa mundial/ocidental devido à Guerra Fria e aos seus resquícios.

Red_army_soldiers_raising_the_soviet_flag_on_the_roof_of_the_reichstag_berlin_germany
Soldados do Exército Vermelho levantando a bandeira soviética no telhado do Reichstag em Berlim, Alemanha

“Embora  o significado das batalhas entre Alemanha e URSS tenha sido enormemente relativizado no mundo capitalista pós-guerra, por conta de questões ideológicas próprias da Guerra Fria (quando não era mais conveniente ressaltar qualidades positivas do antigo aliado soviético…), o chamado  fronte oriental foi onde aconteceram as mais ferozes batalhas, com as maiores perdas civis e militares da história, e mostrou excepcionais tenacidade e capacidade de reorganização e aprendizado do Exército Vermelho frente à Wehrmacht. Apesar de imensas perdas humanas e materiais, a URSS foi a única nação da guerra a ser invadida territorialmente pela Werhmacht (então o maior, melhor treinado, mais bem equipado, e mais eficiente exército do mundo, cujos vários feitos em  eficiência e versatilidade em campo permancem inigualados até hoje) a ser capaz de se reorganizar, e, sem rendição ou acordos colaboracionistas (como o do “Governo de Vichy”, na França), resistir, combater, e efetivamente rechaçar as forças alemãs para fora de seu território sem tropas externas atuando em seu território (como na recuperação da França, por exemplo, precisou da ajuda maciça de tropas americanas e britânicas), e, mais importante, seguir um curso de vitórias até a capital da Alemanha – terminando, na prática, a guerra: poucos dias depois do suicídio de Hitler na Berlim já completamente ocupada pelo Exército Vermelho, as forças alemãs assinaram sua rendição incondicional.” (Texto retirado da Wikipédia)

É  inegável o papel da ex-URSS na Segunda Guerra Mundial e, mais ainda, é inegável o papel que a chamada “Grande Guerra Patriótica” teve na formação do caráter nacional soviético/russo. A vitória na Segunda Guerra Mundial está para a URSS/Rússia assim como a queda da Bastilha está para a França, ou o 4 de julho está para os EUA: é um evento único, formador do caráter nacional russo. Também não é para menos: estima-se que a então URSS perdeu 26,6 milhões de pessoas durante a Segunda Guerra  Mundial, enquanto o segundo país que mais perdeu foi a Polônia, com 6 milhões de baixas (a grande maioria civis, judeus). Dos países ocidentais, o que mais mortes teve foi a França, com 600 mil baixas.

A vitória sobre o nazismo é extremamente valorizada ainda hoje na Rússia. Prova disso é o Museu da Grande Guerra Pátria, em Moscou, no qual estão presentes diversos elementos que se relacionam com a guerra. Abaixo coloco algumas fotos do local.

Interior da estação de metrô chamada "Parque da Vitória"
Interior da estação de metrô chamada “Parque da Vitória”
Vista externa do "Museu da Vitória"
Vista externa do “Museu da Vitória”
Corredor dentro do "Museu da Vitória". Do lado direito e do lado esquerdo estão diversos livros com os nomes daqueles que faleceram durante a Guerra
Corredor dentro do “Museu da Vitória”. Do lado direito e do lado esquerdo estão diversos livros com os nomes daqueles que faleceram durante a Guerra
Estátua dentro do "Museu da Vitória" simbolizando a Pátria-Mãe com seu filho-soldado em seus braços, falecido devido à Guerra
Estátua dentro do “Museu da Vitória” simbolizando a Pátria-Mãe com seu filho-soldado em seus braços, falecido devido à Guerra
Bandeira nazista capturada durante a Guerra
Bandeira nazista capturada durante a Guerra
Locomotiva-tanque utilizada contra os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial
Locomotiva-tanque utilizada contra os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial

Diversas outras imagens poderiam ser colocadas aqui para simbolizar a gratidão que todo o mundo deveria ter para com a Rússia. Sem medo de errar, afirmo com toda certeza que, se não fosse pela União Soviética e pela sua luta contra a Alemanha durante a Guerra, hoje não estaríamos na situação que estamos. A afirmação de que o “Dia D” foi o verdadeiro responsável pela vitória dos Aliados sobre o Eixo não passa de balela: os americanos, ingleses, franceses e canadenses só desembarcaram nas praias francesas em 6 de julho de 1944 depois que o Exército Vermelho já havia feito todo o “serviço” contra a Alemanha, no sentido de conter a expansão alemã no leste europeu.

Baixas da Segunda Guerra Mundial
Baixas da Segunda Guerra Mundial

Em resumo: se não fosse pela União Soviética, e se não fosse pelas suas imensas perdas, com certeza a Segunda Guerra Mundial teria durado muito mais e, quem sabe, teria tido  um outro resultado. Nada mais justo, portanto, do que fazer uma pequena  e singela homenagem àqueles que deram sua vida contra o nazismo há 66 anos atrás.

0 comentário sobre “66 anos do fim da Segunda Guerra Mundial

  1. Será que existe algum relato de um sobrevivente que utilizou esta maqui na de guerra mortal,na qual tenho certeza que morreram muitas pessoas ?
    Particularmente,acredito que foi preciso utilizar este poderio de guerra para afugentar o inimigo e vencer a batalha pela vida e pelo país….

  2. De onde você tirou essa historia fontes amigo deixa para la kkkk

    sabe alguma coisa sobre Schwerer Gustav und Dora. só para constar não sou nazista mas gosto de ler sobre 2 grande guerra.

    • As fontes vieram das 8 viagens que fiz à Rússia e à viagem à Ucrânia e também aos campos de concentração e de extermínio na Alemanha e na Polônia. E não tenho nada sobre a pessoa citada. Ficarei devendo desta vez. Obrigado pela visita!

  3. Adorei tudo que li
    Além do Hermitage quero conhecer o museu da Vitória
    Parabéns,professor!

Deixe um comentário:

%d blogueiros gostam disto: