Ronaldo Fenômeno: “Tem que baixar o cacete mesmo”

“Para nós, professores e educadores, é chocante ver nossos ídolos estimularem a cultura da violência. Numa sociedade de massas o efeito desse estímulo é brutal (porque se reproduz). Caminhamos para o desastre total”

“A população tem de protestar sem violência. Nos vândalos, mascarados, tem de baixar o cacete mesmo”. Essa declaração do nosso ídolo Ronaldo Fenômeno foi impactante. Para nós, professores e educadores, é chocante ver nossos ídolos estimularem a cultura da violência. Numa sociedade de massas o efeito desse estímulo é brutal (porque se reproduz). Caminhamos para o desastre total. Contra os vândalos, que tiraram a classe média das manifestações (por medo), temos que tomar medidas preventivas para evitar a violência, como a Polícia Ninja fez (com grande êxito, diga-se de passagem); depois de tomadas todas as medidas preventivas (as que cuidam da preservação da vida), vêm as medidas repressivas, dentro da lei (sem abusos, sem excessos).

O “baixar o cacete” reproduz a ideologia da violência, espelhada na musicalidade de Valesca Popozuda: “É tiro, porrada e bomba”. Claro que muita gente apoia esse tipo de comportamento hostil, violento. É que a violência está dentro de cada um de nós (ver o livro Somos una especie violenta?, coordenação de David Bueno) e ela aumenta ou diminui conforme a cultura e a sociedade que vivemos e criamos.

A parábola O verdadeiro poder nos ensina muita coisa: “Havia um guerreiro e justiceiro muito violento e cruel, como Calígula, que subjugava e matava todo mundo por onde passava. Num determinado dia chegou num vilarejo e todos que conseguiram escapar correram, com exceção de um velhinho sábio. O guerreiro não quis matá-lo prontamente e permitiu um último desejo. O velhinho então pediu para que o justiceiro fosse até o bosque e cortasse com sua espada o galho de uma árvore. Isso foi feito. Em seguida o velhinho disse: “Agora retorne lá e recoloque esse galho na árvore”. O justiceiro deu uma gargalhada e disse que isso era impossível. O velhinho, então, disse: louco é quem pensa que tem poder só porque destrói as coisas e mata as pessoas que encontra pela frente. Quem só sabe destruir, matar e discursar em favor da violência não tem poder. Poder tem aquela pessoa que sabe juntar o que está partido, unir o que foi separado, prevenir o dano e reviver o que parece morto. Essa pessoa é a única que tem o verdadeiro poder”.

(Original aqui.)

3 thoughts on “Ronaldo Fenômeno: “Tem que baixar o cacete mesmo”

  1. O estimulo a violência coletiva gera atrocidades, barbáries como aconteceu com a dona de casa do Guarujá/SP. É uma vergonha uma pessoa pública fazer esse tipo de comentário, poderia incidir no crime previso do artigo 286 do CPB (Apologia ao crime).

Deixe um comentário:

%d blogueiros gostam disto: